Arte Moderna  escrito em terça 20 julho 2010 14:02

[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE [if gte mso 9]> <!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:1; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;} @font-face {font-family:Verdana; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:536871559 0 0 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-bottom:10.0pt; line-height:115%;} @page WordSection1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;} @page WordSection2 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection2 {page:WordSection2; mso-footnote-position:beneath-text;} @page WordSection3 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection3 {page:WordSection3;} --> [if gte mso 10]> [if gte mso 9]> [if gte mso 9]>

permalink

Análise de pintura abstrata  escrito em terça 20 julho 2010 14:00

[if !mso]> [if gte mso 9]> [if gte mso 9]> Normal 0 false 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE [if gte mso 9]> <!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:1; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;} @font-face {font-family:Verdana; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:536871559 0 0 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; mso-hyphenate:none; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-bidi-font-family:Calibri; mso-fareast-language:AR-SA;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; mso-ascii-font-family:Verdana; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Verdana; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Verdana; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-bottom:10.0pt; line-height:115%;} @page WordSection1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;} --> [if gte mso 10]>

permalink

Plano de aula sobre Grafismo  escrito em terça 20 julho 2010 13:53

Universidade Federal de Goiás
Faculdade de Artes Visuais – Pro - Licenciatura
Tecnologias Contemporâneas na Escola II
Polo: Ceres
A Arte do Grafismo
Professor: Haroldo Araújo
Alunas: Regilene F. Moraes
Wanice P. Alvim
Ceres-GO
2010
Introdução
Esse plano de aula tem como principal objetivo despertar no aluno um
interesse pelo universo das artes visuais, por meio do grafite, como forma de
manifestação artística mais próxima da sua realidade. Além da apreciação artística,
o grafite é portador de valores capazes de potencializar, nas mais variadas
linguagens, as diferentes formas de comunicação com o mundo.
Em consonância com as instruções da unidade 2, parte 2, ação 2 e 3, da
disciplina Tecnologias Contemporâneas na Escola II, esse plano se encontra
estruturado da seguinte forma: Introdução - apresenta o objetivo principal
pretendido; justificativa - destaca a importância e necessidade da proposta; objeto
da pesquisa – ressalta a finalidade e definição da proposta; objetivo geral – define o
que se pretende alcançar com a proposta; objetivos específicos – definem o que
são necessários e indispensáveis para se alcançar o pretendido; referencial teórico
– apresenta as orientações e suportes que embasam a proposta; metodologia –
determina os procedimentos e técnicas a serem utilizados, cronograma - previsão
de datas para aplicação e execução das atividades; considerações finais- reflexão
crítica a cerca da execução e validade da proposta; e referências- acervo
pesquisado e consultado como suporte à proposta.
1. Justificativa
O homem sempre procurou representar, por meio de imagens, a realidade
que o rodeia e na qual está inserido, fazendo dessa representação um instrumento
de comunicação social. E isso também ocorre em nossa realidade local.
Observando nosso contexto sócio-educacional percebemos o quanto o grafismo,
nas suas mais variadas formas, está presente na vida dos nossos alunos e em
nosso meio, não como expressão da arte, mas na maioria das vezes, como forma
de pichação. Entre o grafismo e a pichação existem diferenças essenciais. O
grafismo surgiu no interior de grupos sociais ligados à arte, que a repressão dos
anos 70 retirou deles o canal de expressão, a vez e a voz. A pichação é um
processo anárquico de criação, onde é mais importante transgredir que manifestar
um processo criador. Pratica a estética do rabisco, do sujo, agredindo os padrões
da cultura e transgredindo o estabelecido destruindo monumentos públicos, lugares
sacralizados, buscando chamar atenção para si e para sua mensagem. Diante
disso, sentimos a necessidade de trabalhar o "grafismo" na escola.
Nossa proposta de trabalho consiste em apresentar o grafismo numa linha
de tempo, desde as primeiras expressões artísticas desenhadas nas rochas das
cavernas até os dias atuais. Diante disso, incluímos o conteúdo Arte na Pré-
História- Pinturas nas Cavernas, onde os alunos irão observar o contexto dessa
forma de pintura, desde àquela época até a contemporaneidade, numa viagem pelo
tempo, chegando ao grafismo praticado hoje nos muros das cidades.
Acreditamos ser necessário proporcionar aos alunos a visão que as artes
visuais transmitiram e transmitem ao longo do tempo e assim, conscientizá-los a
utilizarem a técnica do grafismo como forma de expressão artística e de cunho
social (aqui nos remetendo ao profeta Gentileza) e não para o vandalismo,
enfatizando o contexto da criação do grafismo e o estilo Grafite, de Keith Haring
(1958-90).
2. Objeto da pesquisa
O plano, objeto da pesquisa, será desenvolvido com a turma “A”, do 2º
período do Ensino Médio, turno matutino, do Colégio Estadual Meira Matos, na
cidade de São Luiz do Norte-GO. Esse projeto visa propiciar uma interação da arte
e das mensagens visuais, a partir da Arte Rupestre até a Arte contemporânea,
perpassando pelas pinturas das cavernas ao grafite de hoje, numa visão
interdisciplinar que contemple os recursos digitais, tecnológicos e midiáticos,
suscitando assim, no aluno, maior interesse pelo processo de expressão artística e
estética e pelas artes visuais.
3. Objetivos
Geral
· Desenvolver no aluno competências para a observação das pinturas, a partir
do período das cavernas até a atualidade, possibilitando-lhe a compreensão
das imagens visuais e a criação de grafismos, numa postura interpretativa,
de cunho sócio- cultural e artístico.
Específicos
Quanto aos objetivos, o aluno deverá ser capaz de:
· Compreender a arte como fato histórico contextualizado nas diversas
culturas, identificando diferenças nos padrões artísticos e estéticos dos
grupos sociais;
· Perceber as específicas linguagens da arte, refletindo sobre os valores
estéticos, sociais e culturais que se revelam nas produções artísticas de
determinada época;
· Analisar as relações entre a arte e a leitura da realidade, imbuído de juízo
de valor e respeito em relação às obras e monumentos do patrimônio
cultural;
· Pesquisar e organizar informações sobre a arte rupestre e sobre o grafite,
em
contato com as fontes de comunicação e informação;
· Produzir imagens visuais, utilizando a técnica do grafismo;
· Demonstrar interesse e respeito pela própria produção artística, pela
produção dos colegas e de outras pessoas;
· Perceber a produção artística como forma de expressão e comunicação
integrada à cultura e aos sentimentos de um povo.
4. Referencial Teórico
Tivemos como referenciais teóricos a pesquisadora referência no Brasil para
o ensino da Arte nas escolas, Ana Mae Barbosa, que contempla de forma pontual
aspectos como os compromissos da arte-educação com a cultura e com a história;
o fazer, a leitura da obra de arte e sua contextualização, onde aponta que “só um
saber consciente e informado torna possível a aprendizagem em Arte”.(p.17)
Buscamos nos embasar também nas teorias de Vigotsky em relação ao
ensino-aprendizagem da apreciação e produção artísticas, pois o mesmo afirma
que
[...] contrariamente ao que o senso comum tem propagado, todas as
pessoas são capazes de criar, de serem criativas, não só bem educadas,
pertencentes à elite econômica e intelectual, mas pessoas de classe popular
também; [...] e que a educação, na família e na escola, pode proporcionar
mais ou menos oportunidades de desenvolvimento dos processos criativos,
dependendo da maneira como os educadores atuam junto aos mais jovens.
[...] São eles que podem mostrar a importância dos processos lúdicos no
ensino-aprendizagem, atuando como mediadores da cultura, propiciando
que crianças, jovens, adultos e idosos dialoguem com as produções de seus
antepassados e de outras culturas, e proponham suas próprias maneiras de
interpretar o mundo e a si mesmos em processos individuais e coletivos de
fruição e criação. (2008,p.89-90)
E complementando nossos objetivos, buscamos enfocar a teoria de Wallon
Ressaltou a importância de a educação ter uma dimensão estética além
da cognitiva, de lidar com as emoções e expressividade das pessoas, de
respeitar a originalidade de cada um, a complexidade da existência
humana e a diversidade de experiências de vida. [...] a produção artística
dos jovens revela a crise, a tentativa de destacar seu eu social, já
inserido em um ideal de sociedade.( 2008,p.104-105)
5. Metodologia
Visando uma melhor compreensão do assunto buscaremos enfocar, numa
sequência didática, o passo a passo e os procedimentos para a execução das
atividades constantes do plano, desde a pré-história à arte do grafismo.
· Explicação da origem do termo rupestre - do latim rupes ou rupis, que
significa rochedo. Portanto, arte rupestre é aquela realizada em paredes.
· Contextualização de arte rupestre e grafismo, numa breve linha de
tempo.
· Apresentação de slides sobre Arte Rupestre.
· Pesquisa virtual no laboratório de informática, analisando as pinturas
rupestres, utilizando o endereço: http://www.google.com.br/images?
hl=ptBR&q=imagens%20rupestres&um=1&ie=UTF-
8&source=og&sa=N&tab=wi
· Apresentação, pelos alunos, de conclusão pessoal referente às imagens
pesquisadas, observando a diversidade de temas encontrados nos sítios
arqueológicos, como figuras de animais, de pessoas, cenas do cotidiano
-– como a caça e a dança – além de grafismos abstratos, formas que
lembram espirais, treliças, polígonos – como triângulos e estrelas – e
linhas onduladas.
· Conclusão, pelo professor, ressaltando que a pintura foi uma das
primeiras marcas materiais deixadas pelo homem sobre a Terra e que ao
longo dos séculos essa atividade se transformou, assim como os
instrumentos para a sua confecção. No entanto, a sua proposta continua
a mesma, de registrar o modo de pensar e as aspirações de uma
sociedade em uma determinada época.
· Explicação do grafite, um tipo de pintura mural que remete à arte
rupestre, que utiliza como suporte os muros das cidades e tintas
produzidas pela indústria, como o látex e as tintas em spray.
· Realização de pesquisa no site http://www.google.com.br/images?hl=pt-
BR&q=keith%20haring&um=1&ie=UTF-8&source=og&sa=N&tab=wi, com
a finalidade de observar as imagens de Keith Haring-grafismo e analisar a
intenção das mensagens visuais do artista. Refletir com os alunos sobre
a finalidade das mensagens visuais entre a arte praticada nas pinturas
rupestres e a de Keith Haring - demonstrando que, ao longo dos tempos,
os artistas se utilizam das mensagens visuais para expor suas idéias e
emoções dentro de um contexto social, econômico, político, cultural e
artístico como as pinturas nos tetos da igrejas. Sugestão do filme “Agonia
e Êxtase”, que retrata a pintura no teto da Capela Sistina.
· Criação de imagens no Paint, pelos alunos, impressão e exposição na
sala de aula e socialização de sua criação artística com os colegas.
· Pintura das imagens criadas pelos alunos nos muros da escola como
oportunidade de expressarem suas idéias, emoções e representar
através da técnica do grafite.
· Propor à turma, um levantamento na escola e na cidade para descoberta
de grafiteiros e convidá-los para um bate-papo com a classe a respeito de
questões como o grafite x cidade, grafite x pichação, o grafite x
patrimônio da cidade e também, convidá-los a ajudar na pintura do muro
da escola com mensagem visual própria.
· Postagem no blog da escola pelas equipes previamente selecionadas, as
conclusões dos estudos realizados sobre a arte do grafismo, as fotos da
entrevista com os grafiteiros, as imagens da pintura do muro da escola
com a utilização da técnica do grafismo.
· Solicitar aos alunos que acessem o blog da escola, no endereço
http://colegioestadualmeiramatos.blogspot.com, postem comentários
sobre o projeto, promovendo uma interação entre os alunos.
Para a efetivação da metodologia apresentada utilizaremos como suporte e
recurso didático livros, revistas e internet para pesquisa; máquina fotográfica e o
Paint para a elaboração das atividades e o PowerPoint; o Movie Maker para
apresentação e o Blog para divulgação dos resultados.
6. Recursos Materiais, Tecnológicos e Mídias
6.1 Materiais
· Papel chamex branco e em cores;
· Papel cartaz;
· EVA;
· Gravuras;
· Fotos;
· Canetas hidracor;
· Lápis cera;
· Lápis preto HB e 6-B;
· Tinta acrílica em bisnaga, cores variadas;
· Tinta à base d’água, cores variadas;
· Spray;
· Carvão vegetal;
· Quadro mural;
· Muros da escola; e
· Outros (borracha, tesoura, barbante, cola branca; régua, etc.).
6.2. Tecnológicos e Mídias
· Laboratório de Informática Educacional ;
· Computador/impressora;
· Data show/telão;
· Internet;
· Paint;
· PowerPoint;
· Windows Movie Maker;
· Filme - “Agonia e Êxtase”; e
· Blog Escolar.
6.3. Humanos
· Professoras cursistas;
· Dinamizadoras do Laboratório de Informática Educacional e Biblioteca;
· Coordenadoras;
· Alunos do 2º ano do Ensino Médio; e
· Grafiteiros convidados.
7. Cronograma de aplicação
Atividades
PERÍODOS
Data Data Data Data Data Data Data Data Data
Apresentação do
Plano de aula. Tema:
A arte do grafismo.
03/08
Explicação da
origem do termorupestre
03/08
Contextualização
arte rupestre x
grafismo- linha de
tempo.
04/08
Apresentação de
slides - Arte
Rupestre.
10/08
Pesquisa Virtual no
laboratório de
Informática-análise
de pinturas
rupestres.
11/08
Apresentação, pelos
alunos- conclusão
pessoal referente às
imagens
pesquisadas.
17/08
Parecer do
professor em
consonância com os
objetos de estudos.
17/08
Explicação sobre o
Grafite. 18/08
Pesquisa virtual
para Observar as
imagens de Keith
Haring-Grafismo.
18/08
Criação de imagens
no Paint-Laboratório
de Informática.
24/08
Bate-papo com os
grafiteiros de nossa
comunidade.
25/08
Pintura das imagens
criadas pelos alunos
nos muros da
escola.
28/08
Postagem no blog
da escola pelas
equipes
previamente
selecionadas.
31/08
Solicitar aos alunos
que acessem o blog
da escola e
Postem comentários
sobre o projeto,
promovendo uma
interação entre os
alunos da escola.
31/08
8. Considerações finais
Percebemos que as mensagens visuais possibilitam conhecer, num dado
momento, o processo cultural, artístico, religioso, social e político de um
determinado povo, potencializando as diversas formas de comunicação,
propiciando mudanças significativas na interação e compreensão do que o cerca,
num processo criador, onde se percebe a integração do artista com o receptor.
A execução desse plano oportunizará aos alunos não apenas o
desenvolvimento do processo cognitivo e do fazer artístico, mas também o espírito
de pertença, no qual eles passam a valorizar os espaços públicos e a contribuir
para que haja mudanças significativas no modo de pensar, de agir e de intervir na
sociedade, contribuindo para que haja uma real conscientização dos valores
culturais.
Para acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem utilizaremos
o sistema de avaliação contínua, em que serão observados o interesse e a
participação dos alunos nas atividades propostas, práticas e teóricas, individuais e
em grupos, levando-se em consideração os aspectos cognitivos dos alunos.
Também serão considerados assiduidade, participação, crescimento pessoal e
desenvolvimento do aluno em sala de aula.
Referências
MACIEL, Diva Albuquerque; PULINO, Lúcia Helena. Módulo 5: A Psicologia e a
construção do conhecimento. Brasília: Cidade Gráfica e Editora Ltda, 2008.
RAMOS, Célia Maria Antonacci. Grafite Pichação & Cia. São Paulo:Anablume,
2005.
A arte rupestre, o fazer do artista paleolítico. Disponível em:
<http://www.cerescaico.ufrn.br/mneme/pdf/mneme23/223>. Acesso em: 24 de mai.
2010, 17:22:30.
Arte Rupestre. Disponível em: <http://www.google.com.br/images?hl=pt-
BR&q=imagens%20rupestres&um=1&ie=UTF-8&source=og&sa=N&tab=wi>.
Acesso em: 03 de jun. 2010, 15:55:05.
Arte nas escolas. Disponível em: <http://www.pesquisa.uncnet.br/pdf/educacao/
ESPACO_ENSINO_ARTE_ESCOLAS> . Acesso em: 03 de jun. 2010, 17:25:10.
Grafismo. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Grafismo>. Acesso em: 24
mai. 2010, 15:30:30.
Haring, Keith. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Keith Haring>. Acesso em:
24 mai. 2010,14:52:30.
Imagens arte Rupestre. Disponível em: <http://www.google.com.br/images?hl=pt->.
Acesso em: 25.05.2010, 22:05:30.

 

permalink

Minhas Pinturas  escrito em domingo 20 junho 2010 14:27

Blog de artesregilene :Artes, Minhas Pinturas

As pinturas apresentadas, apresentam variedades de linhas,sobreposição,poloicromia , monocromia e  motivos preto e branco, utilizei com,o suporte papel gramtura e tecido- algodão cru.

permalink

Iconoclastia  escrito em terça 20 outubro 2009 17:45

Para compreender o processo Iconoclasta, é necessário  arremeter a compreender o processo da transição do escravismo ao feudalismo. Os monges tinham ícones que reforçavam seu poderio perante a sociedade e que de certa forma representava  uma ameaça  ao poder central, pois representavam o avanço da feudalização (visto que os monges tinham muitas propriedades advindas de tributos isentos).É certo ainda ressaltar que o culto das imagens eram vistos por muitos de idolatria (principalmente asiáticos).Leão III de origem asiática determinou a proibição do culto de imagens(ícones) e sua destruição, considerando ser praticas pagãs e com o objetivo de enfraquecer os monges.Na contemporaneidade é notável a iconoclastia, visto que a mesma foi uma doutrina que opunha-se ao culto de ícones religiosos e outra obras, não apenas por motivos religiosos mas como também por fatores políticos e econômicos . A iconoclastia pode acontecer com povos de religiões diferentes, mas se apresenta como resultado de disputas entre facções de uma mesma religião.No Cristianismo por exemplo a iconoclastia é motivada pela interpretação literal dos dez mandamentos, que proíbem os fiéis a adorarem imagens.A iconoclastia opõe-se apenas a representações de santos e outros seres espirituais como imagens, enfatizando a compreensão e transformação interior.Lembrando que a iconoclastia foi um dos principais motivos da reforma protestante e que a mesma não ocorreu somente por motivos religiosos, mas teve outros interesses neste processo...

        Percebe-se claramente que a iconoclastia não representou apenas 'QUEBRA' de alguns valores, mas ela possibilitou a perceber  as coisas de outro ângulo, de ter ousadia, buscar criar  novos pressupostos históricos, artísticos e culturais. O Iconoclasta na contemporaneidade é aquele que rompe paradgmas, é ousado e tem ideais próprias.

permalink
|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para artesregilene

Precisa estar conectado para adicionar artesregilene para os seus amigos

 
Criar um blog